Amazon fomenta a produção de vídeos para não perder clientes

A Amazon quer evitar que os consumidores, já de olho nas festas de fim de ano, se percam no YouTube e no Facebook ao procurarem vídeos de produtos. A gigante do varejo online está trabalhando com seus vendedores para oferecer esse serviço em seu site.

Suprimentos para animais de estimação, produtos para bebês, utensílios domésticos e eletrônicos são o foco da nova investida em vídeos promocionais e tutoriais. Em 2017, a Amazon começou a convidar alguns de seus 2 milhões de parceiros comerciais para participar de um programa de testes no qual o varejista online coordena esses vídeos curtos de produtos. O plano é colocar a maioria deles no ar até meados de dezembro, quando a temporada de compras de fim de ano estiver a pleno vapor, de acordo com documentos analisados pela Bloomberg.

“Você pode tocar corações e cabeças com o vídeo de maneiras simplesmente impossíveis com texto e fotos”, disse Jason Kint, diretor-executivo da Digital Content Next, uma associação comercial anteriormente chamada de Associação de Editores Online.

Hoje, a Amazon depende de descrições em texto escrito dos produtos, fotos e avaliações de consumidores para aumentar a confiança dos clientes em suas mercadorias. Mas o site, em grande parte, não oferece vídeos parecidos com os comerciais de TV ou opiniões de consumidores e tutoriais publicadas no YouTube e em plataformas de redes sociais. A Amazon está oferecendo aos comerciantes um desconto para anúncios em vídeo de 30 segundos, a fim de incentivar a participação no novo recurso adicionado ao programa chamado Enhanced Brand Content (Conteúdo da Marca Avançada, em tradução livre), de acordo com os documentos.

Página de produto na Amazon com vídeo em destaque. Foto: Amazon/Reprodução

O teste é parte de um esforço maior para colocar mais vídeos promocionais no site. A Bose, fabricante de equipamentos de áudio, é uma das marcas proeminentes que agora têm vídeos na Amazon, através de um programa de página “premium” que custa US$ 500 mil, relatou o Advertising Age na semana passada.

O programa-piloto de vídeos do Enhanced Brand Content busca, nesse primeiro momento, conteúdo de comerciantes menores em uma gama mais ampla de categorias que não têm grandes orçamentos de marketing. Alguns vídeos publicados no programa incluem uma demonstração da cafeteira francesa Coffee Gator e um vídeo “como lavar o seu rosto” exibido abaixo de um limpador facial.

Preparação para o Natal

O esforço é direcionado para a temporada de fim de ano que se aproxima, o período mais movimentado no site da Amazon. As vendas online nos Estados Unidos devem aumentar em até 21%, para US$ 114 bilhões nesta temporada, de acordo com as estimativas da Deloitte.

“O vídeo é o mais recente recurso para o Enhanced Brand Content e esperamos avançar ainda mais para que mais pequenas empresas possam criar conteúdo atraente e útil para os clientes da Amazon”, afirmou a Amazon em declaração enviada por e-mail.

Os vídeos de produtos estão se tornando um recurso importante para os consumidores no momento que precede a tomada de decisões de compra. Mais de 1 em 3 millennials, pessoas que têm entre 20 e 30 anos, consideram demonstrações de produtos “muito importantes” ao fazerem compras, de acordo com uma pesquisa da Astound Commerce.

O Google, da holding Alphabet, tentou transformar o YouTube em um destino privilegiado para esses investimentos em marketing. Dois anos atrás, a empresa introduziu um novo recurso que permite que os anunciantes executem anúncios personalizados para produtos de consumo em vídeos relevantes do YouTube.

A investida da Amazon junto aos comerciantes acontece no momento em que ela trabalha para construir um negócio de publicidade capaz de rivalizar com os do Google e do Facebook, que hoje dominam o mercado de anúncios online de US$ 83 bilhões. A gigante do varejo online está reconhecendo o valor de seu mecanismo de pesquisa de produtos como uma plataforma publicitária, porque muitos compradores acessam o site para encontrar itens e fazer pesquisas de compras. Os vídeos são cada vez mais presentes nesses processos, disse Jonathan Bowen, proprietário da JLB Media Productions em Los Angeles, especializada na produção de vídeos de produtos para empresas.

“Seja com eletrônicos ou um utensílio de cozinha, as pessoas querem ver um vídeo do que [o produto] realmente faz”, disse Bowen. “Todo mundo sabe o que é uma espátula, mas para alguns desses produtos, as imagens por si só não fazem justiça”.

Fonte: Gazeta do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *