Familiares e amigos fazem homenagem a adolescente morto na Maré

0
1

Centenas de estudantes de mais de 40 escolas da favela da Maré, familiares e amigos do adolescente Marcus Vinicius da Silva, de 14 anos, morto na semana passada em operação policial na comunidade, fizeram hoje (27) uma manifestação em sua em homenagem e pela paz.

O ato ocorreu em frente ao Ciep Operário Vicente Mariano, onde Marcus Vinicius estudava. Os manifestantes portavam cartazes e camisas com frases como “a Maré precisa de paz” ou “vamos fazer do luto a nossa luta” e fizeram um minuto de silêncio pela morte do estudante, dando um abraço na escola.

Abaixo-assinado

Durante o ato, foi distribuído um abaixo-assinado exigindo o cumprimento da instrução normativa da Secretaria de Segurança (Seseg), elaborada em conjunto com a Secretaria Municipal de Educação, que estabelece que o funcionamento das operações policiais em áreas sensíveis deve ser regidos por “critérios pré-determinados”. O protocolo foi lançado após a morte da menina Maria Eduarda, de 13 anos, dentro de uma escola em Acari, na zona norte do Rio.

Uma das determinações é que operações policiais de qualquer natureza, feitas em áreas sensíveis, próximas a unidades de ensino, creches, postos de saúde e hospitais, em funcionamento, devem evitar que os estudantes se tornem alvos de infratores armados. Também devem evitar os horários de maior fluxo de entradas e saídas de pessoas, principalmente de estabelecimentos de ensino.

A manifestação de hoje contou com a presença do secretário municipal de Educação, Cesar Benjamim, e da Coordenadora da 4ª Coordenadoria Regional de Educação (4ª CRE), a professora Fátima Barros.

Mencionando o sonho educacional do antropólogo e educador Darcy Ribeiro, autor do projeto dos Cieps, o secretáriodestacou que a comunidade escolar está unida e fortalecida em sua luta pela paz e pela não violência.

“Estamos unidos e a família do Marcus Vinícius não está sozinha. Prosseguiremos em defesa da educação e da vida. Podemos mudar o Rio de Janeiro. Prosseguiremos na luta pela paz. A educação vencerá”, afirmou o secretário.

Morte

Na manhã em que foi baleado, o adolescente Marcus Vinicius da Silva acordou às 8h, atrasado, e saiu apressado por um caminho que não durava mais que 20 minutos. Antes de chegar à escola, ele baleado e morreu no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na noite da última quarta-feira (20), durante uma operação da Polícia Civil no Complexo da Maré. Segundo a corporação, a ação buscava cumprir 23 mandados de prisão e prender os suspeitos de terem participado da morte do chefe de operações da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod). Houve tiroteio, e outras seis pessoas morreram.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here