FHC demora para apoiar Alckmin e ainda erra nome do candidato

São Paulo – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) demorou um mês para publicar no Twitter, na manhã deste sábado, 15, uma mensagem de apoio explícito ao candidato tucano à Presidência da República, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. No entanto, escreveu duas vezes o nome do candidato sem a letra “c”.

A Coluna do Estadão publicada na edição deste sábado notou que FHC estreou no Twitter há um mês e, até ontem, não havia usado a rede social para pedir votos a Alckmin. O máximo que ele fez foi listar algumas virtudes necessárias para um presidente e, sem citar nenhum candidato, recomendou aos seus seguidores que votem naquele que reunir essas características.

“O Brasil depende de nossas escolhas. Palavras o vento leva. Realizações marcam. Só com experiência se governa. Sem convicção não se criam caminhos de futuro. Avalie quem junta estas virtudes e vote. O país precisa de coesão e grandeza. Está em nossas mãos construir o futuro”, ele escreveu ontem.

Hoje, por volta das 11h, depois de a Coluna do Estadão notar a ausência de menções a Alckmin, o ex-presidente alegou que a mensagem de ontem foi clara no seu apoio ao correligionário e, dessa vez, citou o ex-governador de São Paulo, embora ele tenha escrito duas vezes o nome do candidato sem a letra “c”.

“Intriga não ajuda a convencer. No que publiquei ontem está claro que Alkmin é quem pode governar melhor: experiente, honesto, com olho no orçamento e capaz de ouvir. Meu voto é sabidamente nele. Há tempo para evitar votar em aventuras ou em desastres anunciados”, disse.

Duas horas depois, FHC voltou ao Twitter para dizer que concorda com o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), quando este fez críticas ao sistema político, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. Foi nessa mensagem que ele escreveu pela segunda vez o nome de Alckmin sem a letra “c”.

“O senador Tasso está certo: o ciclo partidário-eleitoral se exauriu. Não há outro ainda. Alkmin poderá levar o país a um novo consenso. Fiéis à democracia e aos nossos compromissos votemos nele para a reconstrução social e econômica do Brasil.”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *