Seria o café a superdroga da produtividade?

iStock
O estudo descobriu que o aspecto social de trabalhar em um cafeteria é de vital importância para os profissionais

Em qualquer cafeteria, de qualquer lugar do mundo, boa parte dos consumidores está desbruçada sobre notebooks. É uma tendência que aumenta a cada dia que passa, e um estudo recente destaca o impacto significativo que essa nova forma de trabalho tem no setor.

LEIA MAIS: Café é a bebida não alcóolica mais consumida no Brasil

A análise de cafeterias na Noruega, na Austrália, no Reino Unido e nos Estados Unidos constatou que um número crescente de lojas tem adaptado suas ofertas aos nômades digitais, que podem trabalhar em qualquer lugar. Por exemplo, uma grande oferta de tomadas é considerada crucial e, muitas vezes, mais importante do que o próprio café.

O estudo descobriu que o aspecto social de trabalhar em um cafeteria é de vital importância para os profissionais, que revelaram que isso os faz se sentir parte de algo maior, ao mesmo tempo em que o barulho desse tipo de local também reforça seus níveis de criatividade.

Isso foi verificado por outra pesquisa, que descobriu que o ruído de fundo de baixo nível encontrado frequentemente em cafeterias pode ser benéfico para o nosso pensamento criativo. Além disso, o fato de estarmos cercados por pessoas que trabalham duro pode nos estimular a se esforçar mais. Um relatório publicado no ano passado sugere que estar cercado por outras pessoas também pode nos estimular.

Junte isso a um ambiente acolhedor, mas flexível, e talvez não surpreenda que cada vez mais pessoas escolham a opção amigável e social de trabalhar em uma cafeteria em vez de ficar sozinhas em casa.

Café para não-nômades

É claro que nem todo mundo tem a liberdade, ou mesmo o desejo, de trabalhar remotamente de uma cafeteria o dia todo, mas o café pode ter vários benefícios, independentemente de onde seja consumido. Por exemplo, um estudo publicado em 2013 examinou o impacto que a cafeína tem na forma de pensar. A conclusão foi de que a bebida pode ser fantástica quando queremos nos concentrar em uma tarefa, mas, se quisermos ser criativos, esse foco pode impedir que nossa mente explore um pensamento novo e divergente.

VEJA TAMBÉM: Brasil teme popularização dos alertas de câncer no café

O mesmo enfoque foi registrado em outro relatório publicado recentemente, que descobriu que servir café em reuniões pode focar as discussões, ao mesmo tempo em que aumenta o envolvimento dos participantes e, geralmente, o contentamento quanto ao sucesso da reunião.

Os autores consideravam que a maioria das pesquisas sobre o impacto do café no nosso desempenho se concentrava no indivíduo, então, quiseram examinar se impactos semelhantes poderiam ser vistos na performance do grupo. Verificou-se que as pessoas que tomavam café antes de uma reunião eram efusivas em seus elogios tanto pelo seu próprio desempenho quanto pelo do grupo.

Reuniões com muito café

Os participantes foram inicialmente convidados a tomar café juntos cerca de 30 minutos antes de começar uma discussão em grupo. Cada pessoa recebeu a tarefa de fazer recomendações sobre o assunto no final da reunião. Para efeito de comparação, foi organizado um grupo de controle, ao qual foi dado o mesmo exercício, mas com café servido depois do encontro.

Para o grupo que bebeu café e performou bem foi feito um outro estudo de acompanhamento para descobrir se o consumo da cafeína ou o ato social de beber juntos aumentava o desempenho. Um segundo grupo de participantes foi recrutado para realizar uma tarefa semelhante, mas desta vez, uma parte recebeu café descafeinado.

Os resultados foram semelhantes aos do primeiro experimento, com o grupo que bebeu o café normal apresentando um desempenho melhor do que aquele que recebeu café descafeinado.

Portanto, os pesquisadores aceitam que a cafeína torna as pessoas mais alertas, e foi esse estado que ajudou na performance. É suficiente dizer que a cafeína não é a única maneira de estar mais alerta, há outros fatores como o bom sono, exercícios e uma dieta saudável. Mas, na falta disso, uma xícara de café pode ser útil.

O post Seria o café a superdroga da produtividade? apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *